CAMINHOS PARA A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE DOCENTE

Simara Maria Tavares Nunes, Plínio Alexandre dos Santos Caetano

Resumo


Hoje, o Brasil vive um movimento pleno de reformas curriculares no qual a formação de professores vem sendo muito discutida. Inúmeros estudos e pesquisas sobre a formação docente vêm defendendo a necessidade da pesquisa educacional ser realizada pelo professor, tornando-se constitutiva das próprias atividades docentes, definindo-se como condição de seu desenvolvimento profissional e melhoria da sua prática pedagógica. Assim, é fundamental que os licenciandos sejam iniciados na prática da pesquisa educacional. Neste sentido, são os programas de formação inicial e continuada de professores, nas mais diversas áreas do conhecimento, que podem iniciar uma nova fase na educação básica brasileira.

Palavras-chave


Construção da identidade docente; valorização da profissão; professor- pesquisador.

Texto completo:

PDF

Referências


APPLE, M. W., TEITELBAUN, K. Esta o professorado perdendo o controle de suas qualificações e do currículo? Teoria & Educação, Porto Alegre, 1991, v. 4, p. 62-73.

AZZI, S. Trabalho docente: autonomia didática e construção do saber pedagógico. In:Pimenta, S. G. (org.). Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo: Cortez, 1999.

BRZEZINSKI, I. Profissão Professor: Identidade e Profissionalização docente. Brasília: Plano, 2002.

CARVALHO, A. M. P., GIL-PÉRES, D. Formação de professores de ciências. São Paulo: Cortez, v. 26, 1993.

CARVALHO, A.M.P., GIL-PÉREZ, D. O saber e o saber fazer do professor. In Ensinar a ensinar: didática para a escola fundamental e média. Castro, A. D. Carvalho, A. M. P. (org) São Paulo: Pioneira, Thomson Learning. 2001.

CUNHA, M.I. O bom professor e sua prática. São Paulo: Papirus, 2000.

DIAS-DA-SILVA, M. H. G. F. O professor e seu desenvolvimento profissional: superando a concepção do algoz incompetente. Cadernos CEDES, nº. 44, abril, 1998.

ENGUITA, M. A ambigüidade da docência: entre o profissionalismo e a proletarização. Teoria & Educação. Porto Alegre, n. 4, 1991.

FRIGOTTO, G. O enfoque da dialética materialista histórica na pesquisa educacional. In Fazenda, I. (org.). Metodologia da pesquisa educacional. São Paulo: Cortez, 1989.

GALINDO, W. L. W. A construção da identidade profissional docente. Psicologia, Ciência e Profissão, v. 24, no2, 2004, p. 14-23.

GUIMARÃES, V. S. Formação de Professores - Saberes, Identidade e Profissão. Campinas: Papirus, 2004.

IMBERNÓN, F. A Educação no Século XXI: os desafios do futuro imediato. Porto Alegre: Artmed, 2001.

IMBERNÓN, F. Formação docente profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez, 2000.

LÜDKE, M. (coord) A complexa relação entre o professor e a pesquisa. In: ANDRÉ, M. (org). O papel da pesquisa na formação e na prática dos professores. 1ª ed. Campinas:Papirus, 2001, pg. 27-54.

LÜDKE, M., BOING, L. B., Caminhos da Profissão e da Profissionalidade docentes, Educação & Sociedade. Campinas, vol. 25, n. 89, Set./Dez. 2004, p. 1159-1180.

MALDANER, O. A. A formação inicial e continuada de professores de química - professores/pesquisadores. Ijuí: UNIJUÍ, 2000.

NASCIMENTO, M. A. A construção da identidade profissional na formação inicial de professores. Dissertação de doutoramento. Coimbra: FPCEUC, 2002.

NÓVOA, A. Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1995.

PEREIRA, L. L. S., MARTINS, Z. I. O. A identidade e a crise do profissional docente. In Brzezinski, I. Profissão professor: identidade e profissionalização docente. Brasília: Plano, 2002.

PERRENOUD, P. Formando professores profissionais. Porto Alegre: Artmed, 2001.

PIMENTA, S. G. (org) Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo: Cortez, 1999.

PIMENTA, S. G., ANASTASIOU, L. das G. Educação, identidade e profissão docente. In: PIMENTA, S. G; ANASTASIOU, L. das G. Docência do ensino superior. São Paulo: Cortez, 2002.

PIMENTA, S. G., LIMA, M. S. L., Estágio e Docência. 2 a. ed. São Paulo: Cortez, 2004.

RAMALHO, B L, NUÑEZ, I. B. E GAUTHIER, C. Formar o professor, profissionalizar o ensino: perspectivas e desafios. Porto Alegre: Sulina, 2003.

SACRISTÁN, J. G. Consciência e ação sobre a prática como libertação profissional dos professores. In: NÓVOA, A. Profissão professor. Porto: Porto Editora, 1991.

SACRISTÁN, J. G., O Currículo – uma Reflexão sobre a Prática. 3a. edição. Porto Alegre: Editora ArtMed, 2000.

SILVA, G. M., RETONDO, C. G., Implementação do novo curso de Licenciatura em Química no Departamento de Química da FFCLRP/USP, apresentado no workshop: A formação química e pedagógica nos cursos de graduação em química do país, 30ª RASBQ, 2007.

SCHÖN, D. A. The reflective Practitioner: How Professional Think in Action. Basic Books, New York, 1983.

SCHÖN, D. Formar professores como profissionais reflexivos. In: Nóvoa, A. (org.) Os professores e sua formação. 2ª ed. Lisboa: Dom Quixote, 1995. p. 72-92.

SCHÖN, D. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

SHIROMA, E. O.; EVANGELISTA, O. A colonização da utopia nos discursos sobre profissionalização docente. Perspectiva, Florianópolis, v. 22, n. 02, 2004, p. 525-545.

VILLA, F. G., Crise do professorado, uma análise crítica. Campinas: Papirus, 1998.

ZEICHNER, K. M. A formação reflexiva de professores: idéias e práticas. Lisboa: Educa, 1993.

ZIMMERMANN, E. Um novo olhar sobre os cursos de formação de professores, Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 20, no 1,

, p. 43-62.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.