MORALIZAÇÃO DO SUICÍDIO?

Pedro Cattapan

Resumo


Este artigo busca criticar a proposta de criação de uma rede de controle de depressivos com fins de prevenir a sociedade do risco dos suicídios. Para tanto, é buscada a posição ético-teórica de dois campos: A psicanálise e a obra de Michel Foucault. O artigo defende que se abandone uma abordagem moral calcada numa perspectiva patologizante e biopolítica da depressão em prol de um reconhecimento da legitimidade da liberdade do sujeito de optar por viver ou morrer. É apenas reconhecendo a morte como parte integrante da experiência da vida que o sujeito é capaz de abandonar duas posições intolerantes: a do suicida, que não tolera suaexistência e a do defensor de uma sociedade biopolítica que também não tolera a existência do suicídio.

Palavras-chave


Depressão; suicídio; psicanálise freudiana; biopolítica

Texto completo:

PDF

Referências


BIRMAN, J. (2006) Arquivos do mal-estar e da resistência, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira.

BREUER, J. & FREUD, S. (1895d [1893-95]) Estudos sobre a histeria, v. II da ESBOPCSF, Rio de Janeiro, Imago, 1996.

BRUM, E.; AZEVEDO, S. & LEAL, R. Suicídio.com. Época. Rio de Janeiro, 11 de fevereiro de 2008. Disponível em:

.

FÉDIDA, P. (2001) Dos benefícios da depressão:elogio da psicoterapia, São Paulo, Escuta, 2002.

FREUD, S. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, Rio de Janeiro, Imago, 1996. (1911c) Nota psicanalítica sobre um relato auto-biográfico de um caso de paranóia (dementias paranoides), v.XII.

(1914c) Sobre o narcisismo: uma introdução, v. XIV.

(1915d) Repressão, v. XIV.

(1916a[1915]) Sobre a transitoriedade, v. XIV.

(1917e[1915]) Luto e melancolia, v. XIV.

(1920g) Além do princípio do prazer, v. XVIII.

(1926d [1925]) Inibições, sintomas e ansiedade, v. XX.

(1933 [1932]) Novas conferências introdutórias sobre psicanálise: conferência XXXV – a questão de uma Weltanschauung, v. XXII.

(1937c) Análise terminável e interminável, v. XXIII.

FOUCAULT, M. (1961) História da loucura, São Paulo, Perspectiva, 2002.

______. (1973-1974) O poder psiquiátrico, São Paulo, Martins Fontes, 2006.

______. (1974-1975)Os anormais, São Paulo, Martins Fontes, 2002.

______. (1975) Vigiar e punir: história da violência nas prisões, Petrópolis, Vozes, 2004.

______. (1975-1976) Em defesa da sociedade, São Paulo, Martins Fontes, 2005.

______. (1976) História da sexualidade 1: a vontade de saber, São Paulo, Graal, 2003.

______. (1981) Entre o amor e os estados de paixão: conversa com Werner Schroeter, Paris, Goethe Institute, pp. 39-47, 1982. Traduzido por Wanderson Flor do Nascimento. Em: www.filoesco.unb.br/foucault.

GOETHE, J. W. (1774) Os sofrimentos do jovem Werther, Porto Alegre, L&PM, 2011.

JEANNEAU, A. (1980) La cyclothymie: étude psychanalytique, Paris, Payot.

KLEIN, M. (1952a) Algumas conclusões teóricas sobre a vida emocional dos bebês. In: KLEIN, M.;

HEIMANN, P.; ISAACS, S. & RIVIERE, J. Os progressos da psicanálise, Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, pp. 216-255, 1982.

______. (1952b) Sobre a observação do comportamento dos bebês. In: KLEIN, M.; HEIMANN, P.; ISAACS, S. & RIVIERE, J. Os progressos da psicanálise, Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, pp. 256-289, 1982.

______. (1952c) Sobre a teoria de ansiedade e culpa. In: KLEIN, M.; HEIMANN, P.; ISAACS, S. & RIVIERE, J.

Os progressos da psicanálise, Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, pp. 290-312, 1982.

LACAN, J. O Seminário, livro 7: a ética da psicanálise (1959-1960), Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1997.

______. O Seminário, livro 23: o sinthoma (1975-1976), Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 2007.

LAMBOTTE, M.-C. (2001) La souffrance mélancolique. Confrontations psychiatriques, Paris, n. 42, p. 91-101.

NIETZSCHE, F. (1886) Além do bem e do mal, São Paulo, Companhia das Letras, 1992.

NOVALIS (1798) Le monde doit être romantisé, Paris, Allia, 2002.

PRIGENT, H. (2005) Mélancolie: lês métamorphoses de La dépression, Paris, Gallimard.

SOARES, G. A. D. O complexo de Agar. O Globo, Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2009. Opinião, p.7.

WINNICOTT, D. W. (1964) O conceito de falso self, in Tudo começa em casa, São Paulo, Martins Fontes, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.